OVNI – termo ou conceito

Para o filósofo Deleuze, “Todo conceito remete a um problema…”, e com certeza podemos dizer isso também do termo OVNI¹. Mas, embora ele remeta a um problema ele não pode ser entendido como um conceito, ele não passa de um conjunto de palavras sem sentido.

“Todo conceito remete a um problema, a problemas sem os quais não teria sentido, e que só podem ser isolados ou compreendidos na medida de sua solução”² (Deleuze e Guattari).

O termo OVNI, está na antesala de um conceito. Mas não consegue ou não pode adentrar ao recinto principal. Ele não soluciona um problema, ele não contém vitalidade suficiente para ser entendido como um conceito, se assim o fosse superaria obstáculos.

Ao pensar o termo OVNI caimos no vazio, numa indefinição. Não avançamos o pensamento no sentido de compreender os acontecimentos aos quais ele se refere.

O termo foi criado para dar conta de uma realidade determinada: um objeto, que voa, que é visto, que tem seus movimentos testemunhados por olhares e registrados pelas tecnologias de detecção objetivas disponíveis nas imediações e na hora dos acontecimentos de então. Também se percebe os rastros, os vestígios do acontecimento.

No entanto, estes elementos de realidade registrados, não são suficientes, porque o objeto, tanto quanto suas ações, não são permanentes. E a permanência é vital. Sem permanência não há vida.

Há que ter permanência, obviamente, no tempo e no espaço, para se constituir num problema. Só a partir daí o conceito se completa. Até lá o conceito será apenas um amontoado de palavras e não fazem sentido no seu conjunto. Só a partir dessa permanência o acontecimento alcança vida suficiente.

Com vida suficiente o conceito se apresenta como solução a um problema, porque o conceito é a vida que procura dar conta de si mesma, num determinado contexto, superando obstáculos ao entendimento através do pensamento.

Os termos associados à sigla OVNI apontam nos, uma incompletude no entendimento de uma categoria de acontecimentos, que vai exigir do ato filosófico uma reconceitualização contínua. Uma releitura de fatos que não estão mais, tanto quanto se desejaria, no mundo dos sentidos. Talvez estejamos a velar por uma outra realidade nesse repensar, será?

Por outro lado, ainda que seja uma sigla aparentemente vazia, a partir do momento em que foi concebida, ela se tornou prenhe de alguma vitalidade e não tem havido redução, desde então. Transformação sim, metamorfose, mas jamais uma redução.

Desde que existiu em parte, tem sido uma parte causal, a coisa, o acontecimento. À medida que um acontecimento semelhante casualmente se repete, o termo se atualiza procurando escapar-se da estagnação em que nasceu, em busca de um devir? Tanto quanto o conceito, iniciou-se, nessa forma embrionária, a gestação da vida em si mesma.

Talvez possamos dizer como Drumond que,

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

Até que a pedra deixe de ser insignificante, embora desde sempre intrigante, precisa, se torne um problema. A própria vida, antes inconcebível, passe a ser em nova forma, questões e problemas a se resolverem.

¹ – OVNI – Objeto Voador Não Identificado
² – Com o perdão de Deleuse e Guattari, para minhas brincadeiras.

Referencia:
Deleuze & Guattari, O que é a Filosofia?, p. 25
Carlos Drummond de Andrade. In Alguma Poesia, 1930

MÃE TERRA – CORPO E ALMA – ABRIL / 2018

Querido,

Eu sou a voz da Terra e carrego você em meu corpo. O planeta no qual você vive e caminha é o meu corpo, a expressão da minha alma. Você é bem-vindo aqui porque faz parte do meu corpo. Seu corpo é parte de mim, feito de matéria terrena. Esteja bem consciente das células do seu corpo, que são pequenas entidades independentes, que sabem exatamente o que devem fazer. Elas trabalham em prol do equilíbrio, harmonia e cooperação em seu corpo.

Imagine que você está presente sob a forma de um sol brilhante em seu corpo. Sua luz não é da Terra; você veio do cosmo. Você é uma alma viva, capaz de assumir várias formas, e agora está presente numa forma terrena. Imagine que a luz da sua alma se irradia do centro do seu corpo, do centro próximo ao seu coração. Veja uma luz brilhando ali e lembre-se de quem você é; você tem eons de idade. Você teve muitas vidas; não está aqui pela primeira vez.

Lembre-se de quem você é! Saiba que você é independente deste corpo, desta vida, e da sociedade à sua volta. Você veio aqui para trazer algo novo, algo único, algo ainda não compreendido por aqueles que o rodeiam. É preciso coragem e ousadia para trazer o novo, porque coisas novas provocam resistência. É por isto que é tão importante lembrar-se de quem você é, da sua liberdade, da sua independência. Só então você poderá ser você mesmo nesta realidade e espalhar a sua luz.

Peço-lhe agora que, a partir do seu coração, conecte a luz da sua alma às células do seu corpo, que possuem sua própria consciência individual e, ao mesmo tempo, fazem parte de mim, a Terra. Imagine que a luz do seu coração, da sua alma, se une à consciência de todas as células do seu corpo. Sua luz se irradia para todas as suas células, e estas respondem com alegria. Isto é o que elas querem – elas querem ser inspiradas por você! Este é o objetivo delas; esta é a função delas.

Talvez você pense que o objetivo das células do seu corpo seja simplesmente manter seu corpo de modo que ele funcione e sobreviva. Num certo nível, isto é verdade, mas não no nível mais profundo. Seu propósito maior aqui na Terra é oferecer um instrumento através do qual sua alma possa se manifestar; este é o propósito do seu corpo. Portanto, é extremamente importante conectar sua alma à consciência do seu corpo. Todo o seu corpo está passando por uma transformação que não pode ser explicada no nível material.

Imagine que a luz da sua essência divina se estende lentamente do seu coração e delicadamente toca todas as suas células: do seu peito e ombros, e de todo o seu pescoço e garganta. Em seguida, permita que todas as células da sua cabeça sejam tocadas pela energia da sua alma e a absorvam, de modo que sejam capazes de obter direcionamento e orientação da Fonte divina. Deixe, então, que a energia da sua alma – a luz do seu coração – flua através do seu plexo solar, do seu estômago e desça pelo seu abdome. Sinta o centro do seu abdome, por um instante. Pode ser que ainda existam algumas emoções antigas aí, ou certa resistência contra a vida, que dificultem a permissão para a entrada da luz da sua alma: “Isto é seguro? Será que realmente posso estar aqui com minha energia única, minha luz?”

Veja se a luz da sua alma consegue penetrar no seu estômago, no seu cóccix, na sua pélvis. Se perceber pontos que oferecem resistência, que não permitem a entrada da luz, simplesmente observe o que está acontecendo e não force nada. Apenas veja se existe uma região escura ou tensa em algum lugar do seu corpo, onde a energia esteja contraída e dissimulada. Com um olhar receptivo e aberto, concentre sua atenção nesse ponto de opressão. Sua consciência é muito afável e maleável e, como uma brisa suave, envolve esse ponto com sua atenção.

Dentro dessa energia bloqueada, existe vida que esteve escondida por uma variedade de motivos. Incentive essa vida a se fazer conhecer por você. Pergunte-lhe: “Quem é você? Não tenha medo de mim; mostre-se.”. Observe se aparece alguma coisa para você… uma imagem, um símbolo… pode ser também um animal ou um ser humano… ou talvez uma criança. Tudo o que está bloqueada e oculto dentro de uma pessoa deseja sair, deseja se libertar; mas tem medo, e é por isto que às vezes se esconde. Para conseguir atingi-lo, é preciso não forçar nada; basta estar gentilmente presente e ouvir. Não querer mudar nada, não desejar livrar-se dessa parte é a melhor forma de abordá-la.

Então, calmamente observe ou perceba o que está desejando se revelar nessa parte sombria. Imagine-se estendendo sua mão para o que aparecer, e tranquilize-o, dizendo: “Você é bom; você pode ser quem realmente é.” E acolha essa sua parte, assumindo a responsabilidade pela sua própria energia, prometendo que trabalhará com ela. Porque, em toda essa energia obstruída e bloqueada, há também uma força, uma aptidão que pertence a você. A intenção nunca deve ser a de fazer com que um bloqueio ou problema desapareça. Trata-se de transformar e liberar energias antigas tão completamente, que a essência da sua luz interior possa unir-se a elas. É por isto que o caminho é o amor; sem lutar contra energias negativas ou problemas internos, mas amando-os

Finalmente, deixe a luz da sua alma fluir da sua pélvis para suas coxas e pernas, e dedique uma atenção especial aos seus joelhos. Imagine que as células e ossos dos seus joelhos se abrem para a luz do seu coração. Lembre-se como pode ser divertido viver e estar ativo na Terra, então recupere essas memórias de alegria. Em seguida, deixe sua luz descer pelas suas panturrilhas e tornozelos, e percorrer totalmente seus calcanhares, solas dos pés e artelhos.

Confie a luz da sua alma à Terra. Eu estou aqui para você; você é bem-vindo em mim. Não precisa prosseguir sozinho. Quanto mais permitir que a luz da sua alma esteja aqui, mais estará protegido e será conduzido pela sua própria sabedoria e por sua conexão comigo, a Terra.

Eu o saúdo de coração e agradeço-lhe por sua presença aqui e agora.

Canalizado Por: Pamela Kribbe
Fonte: http://www.jeshua.net/por/
Tradução: Vera Corrêa – veracorrea46@gmail.com
Texto do Vídeo/Mensagem: http://www.jeshua.net/por/earth/earth12.htm

Documento sobre Caso Papuda é Liberado

A campanha UFOs: Liberdade de Informação iniciada em 2004, pede abertura governamental para a questão ufológica. Já obtivemos algum resultado com a liberação de informações sobre o tema UFO através da antiga legislação. Uma visita da Comissão Brasileira de Ufólogos à sede do CINDACTA e do COMDABRA em BRASÍLIA em 20 de maio de 2005, com direito a visualizar alguns arquivos, demonstrou o início do protagonismo da campanha.

O sigilo para informações classificadas como ultrassecretas é normatizado pela lei 11.111/2005. Essa Lei foi utilizada pela Comissão Brasileira de Ufólogos – CBU, através do Dossiê UFO Brasil, para obtenção de informações ufológicas. Ela determinava um sigilo de 30 anos prorrogáveis indefinidamente. Nesse aspecto, a Lei 12.527 de 18 de novembro de 2011 em seu Art. 24 §1º inciso I, avança um pouco por reduzir esse prazo para 25 anos.

A atual fase da campanha “UFOs: Liberdade de Informação Já – Temos o Direito de Saber” será lançada no XXII Congresso Brasileiro de Ufologia, de 16 a 18 de março de 2018 em Curitiba. Juntemo-nos a ela, para que possamos obter dentre muitos documentos o áudio do então Ten. Damasceno com o Cindacta I por ocasião do incidente no Presidio da Papuda em 11 de abril de 1991. Afinal o caso conta já com 27 anos. Esse prazo já ultrapassa o sigilo previsto na Lei 12.527/2011, LAI – Lei de Acesso a Informação.

A comunidade ufológica cobrara do GEU-UnB, à época, desde um ano após o incidente no Presídio da Papuda em 1991, uma resposta do Ministério da Aeronáutica sobre o incidente.

O GEU/UnB passou a solicitar um pronunciamento sobre o relatório realizado e já enviado ao MAER desde 1992, sem sucesso. Essa era uma tentativa de estabelecer um diálogo sobre as lamentáveis contradições encontradas nos documentos recebidos. Tais contradições, a meu ver demonstrou no mínimo a necessidade de um tratamento uniforme e sistemático para o assunto. O que sempre foi desejado pelos ufólogos. As contradições existem, tanto na análise em separado dos documentos, quanto da análise em conjunto com os depoimentos colhidos das testemunhas, todas Militares.

Diante disso, o grupo refaz o pedido de pronunciamento em novembro de 1996.

O link abaixo mostra a solicitação do GEU-UnB e seu anexo, referindo-se ao incidente de OVNI no Presídio da Papuda no Distrito Federal ocorrido em 1991. O documento comprova as ações do Geu-UnB sobre o caso papuda e foi liberado a partir da campanha da Comissão Brasileira de Ufólogos – CBU, campanha esta, coordenada pela Revista UFO.

Entretanto, os documentos mais importantes desse caso, a meu ver e creio que para todos nós que nos interessamo pelo assunto, são as gravações, registros de áudio e vídeo feitos a partir do acompanhamento do incidente pelo Cindacta e CPMInd. Neles estão as plotagens de radar e as conversas telefônicas que certamente confirmarão os depoimentos das testemunhas e poderão fornecer mais detalhes importantes para o conhecimento do fato.

Documento disponível no Sistema de Informações do Arquivo Nacional – SIAN liberado pelo MAER.

Clique aqui para acessar as Bases de Dados do Arquivo Nacional

Mundo do Trabalho

Mundo do Trabalho em 31 filmes!
(Lista atualizada)

Em homenagem ao mês do trabalhador, selecionamos 30 filmes que oferecem possibilidades de reflexão sobre os mundos do trabalho em diferentes épocas, paises e olhares. Enviem sugestões!

1. Eu, Daniel Blake (2016), Ken Loach
2. As sufragistas (2015), Sara Gavron
3. Que horas ela volta? (2015), Anna Muylaert.
4. O capital (2012), Costa-Gravas
5. Biutuful (2010), Alejandro González
6. O emprego (2009), S. Grasso
7. China Blue (2008), Micha Peled
8. Peões (2004), Eduardo Coutinho
9. Pão e Rosas (2000), Ken Loach

10. Segunda-feira ao Sol (2002), Fernando Aranoa (trailer)

11. Mundo Grua (1999), Pablo Tapeiro

12. Os carvoeiros (1999), Nigel Noble
13. Germinal (1993), Claude Berri

14. Daens: Um Grito de Justiça (1992), Stijn Coninx

15. Rosalie vai às compras,(1989), Percy Adlon

16. Terra para Rose (1987), Tetê Moraes
http://www.youtube.com/watch?v=tbP6Ffo-sMM

17. O homem que virou suco (1980), João Batista de Andrade.

18. ABC da Greve (1979/1980), Leon Hirszman

19. Norma Rae (1979), Martin Ritt (Trailer)

20. Braços cruzados, máquinas paradas (1979), Sérgio Toledo e Roberto Gervitz. https://www.youtube.com/watch?v=X5xF8X2k9hE

21. Vivendo os tombos – Carvoeiros (1977), Dileny Campos

22. A classe operária vai ao paraíso (1971), Elio Petri (trecho)
https://www.youtube.com/watch?v=F82QEN5ArP8

23. São Paulo, Sociedade Anônima (1965) Luís Sérgio Person

24. Sindicato de Ladrões (1954), Elia Kazan (trecho)

25. Umberto D (1952), Vittorio De Sica

26. Ladrões de bicicleta (1948), Vittorio De Sica

27. La terra trema (1947) Luchino Visconti

28. Como era verde meu vale (1941), John Ford

29. As vinhas da Ira (1940), John Ford (TRAILER)

30. Tempos Modernos (1936), C. Chaplin

31. A greve (1924), Sergei Eisenstein

Leia livros

Passamos de 1.700 livros! Agora já são mais de 19 GB de marxismo para baixar de graça e ler.

Adolfo Sánchez Vázquez – http://goo.gl/1DFmCS
Alain Badiou – http://goo.gl/gwJVGZ
Alex Callinicos – http://goo.gl/7wHgwZ
Alexandra Kollontai – http://goo.gl/JBLYhr
Andre Gunder Frank – https://goo.gl/KFgvBI
Antonio Gramsci – http://goo.gl/e91JpT
Bertolt Brecht – http://goo.gl/jeMi0w
Bolívar Echeverría – http://goo.gl/lUuQgf
Caio Prado Jr. – http://goo.gl/ZHMYdm
Carlos Nelson Coutinho – http://goo.gl/UmdgGh
Che Guevara – http://goo.gl/YEh4me
Congressos da Internacional Comunista –http://goo.gl/pem8pt
Daniel Bensaïd – http://goo.gl/OSMla3
David Harvey – http://goo.gl/h270rQ
E. P. Thompson – http://goo.gl/ZgnQPE
Ellen Wood – http://goo.gl/qFricV
Enrique Dussel – http://goo.gl/LFDziI
Eric Hobsbawm – http://goo.gl/uiOOjp
Ernest Mandel – http://goo.gl/lkYF5T
Étienne Balibar – https://goo.gl/uMs0PT
Fidel Castro – http://goo.gl/pjrxh6
Florestan Fernandes – http://goo.gl/mZsebg
Fredric Jameson – http://goo.gl/lZVSGC
Guillermo Lora – https://goo.gl/okmpaV
György Lukács – http://goo.gl/9FMYCm
Hal Draper – http://goo.gl/ZCBaMk
Heleieth Saffioti – https://goo.gl/SPdzqO
Henri Lefebvre – http://goo.gl/HD1HDc
Herbert Marcuse – http://goo.gl/Px1Zij
Isaac Deutscher – http://goo.gl/bHUdxV
István Mészáros – http://goo.gl/afiVQ6
Jean-Paul Sartre – http://goo.gl/sMKS5U
João Bernardo – http://goo.gl/0IGAOX
José Martí – http://goo.gl/uAvaUW
José Paulo Netto – http://goo.gl/oVXiG9
Leandro Konder – http://goo.gl/1skAkm
Lenin – http://goo.gl/fR4vGu
Louis Althusser – http://goo.gl/oN57gg
Mao Tse-Tung – http://goo.gl/8G19Zx
Marx e Engels – http://goo.gl/3M5Yeg
Michael Löwy – http://goo.gl/26dJVL
Milton Santos – http://goo.gl/xcqJLD
Nelson Werneck Sodré – https://goo.gl/WM3riS
Nicos Poulantzas – http://goo.gl/UmSans
Paulo Freire – http://goo.gl/B1PLTh
Perry Anderson – http://goo.gl/LEsbKq
Raymond Williams – http://goo.gl/jS5HXi
Ricardo Antunes – https://goo.gl/3k1E3N
Rosa Luxemburgo – http://goo.gl/wOCcDv
Ruy Mauro Marini – http://goo.gl/jBTrGn
Simone de Beauvoir – https://goo.gl/8D2P6H
Slavoj Žižek – http://goo.gl/6VnnRY
Stalin – http://goo.gl/dlb1lE
Terry Eagleton – http://goo.gl/Yx4OrX
Theodor Adorno – http://goo.gl/ot9rMP
Theotônio dos Santos – http://goo.gl/9aZaOj
Trotsky – http://goo.gl/Z0NMf7
Vânia Bambirra – http://goo.gl/sFhFq4
Walter Benjamin – http://goo.gl/mgXFky

Bolívia – a luta continua

A situação da Bolivia é também antiga. Desde a resistência às múltiplas tentativas de exploração levadas a cabo por interesses estrangeiros nas riquezas do país: petróleo, gás natural, prata, estanho, nitrato, que levou, como diz o Prof. Dr. Eugênio Rezende, a um contínuo processo de pilhagem dos recursos naturais da nação, provocando, desde a independência boliviana em 1825, a deflagração de inúmeras guerras e disputas territoriais com países vizinhos. Tais conflitos foram incentivados quase sempre por interesses econômicos imperiais e multinacionais e ao final resultaram na perda pela Bolívia de partes significativas de seu território – para não dizer da própria auto-estima nacional – e de sua única conexão com o mar, com drásticas conseqüências para o futuro da sua economia.”1

Desde 1544 a Bolívia vive conflitos diversos e no meio deles sempre as suas enormes riquezas naturais e suas dificuldades geopolíticas para a exploração em favor da nação. Seu povo constituído de grande diversidade étnica, herdeira de duas culturas milenárias – os tiahuanacotas (aymarás) e os incas (quechuas) sempre foi explorado como escravos, ou mão de obra barata pra enriquecimento da coroa espanhola e de toda a Europa que consumia suas riquezas.

Hoje a questão da Bolívia continua sendo a questão da soberania da América latina, refletindo-se nos conflitos internos a cada nação que dela faz parte.

Cuba representou e representa um bastião da resistência pós libertação da coroa espanhola. Segue-se a Venezuela que luta para preservar sua soberania e suas riquezas contra os imperialistas, nossos irmãos do norte.

Muitos países latinos sofreram e sofrem ataques de mesmo nível, origem e motivação. Como a Bolívia, Chile, Equador, Argentina e Brasil. É por isso, uma luta antiga e atual ao mesmo tempo.

Para tentar ir mais direto ao ponto, quanto as missões religiosas evangélicas e católicas, que tem provocado tanto a preocupação de muitos de seus seguidores, existe um viés que é preciso considerar. A meu ver, os latinos ainda são vistos como índios no sentido pejorativo, como se fossem primitivos. Esse tem sido um pensamento comum de outros países chamados de primeiro mundo, em relação aos países da América latina, especialmente os de língua hispânica. Emboras o Brasil não escape de classificação e disposição tão ou mais grave em razão dos mitos construídos em torno da idéia de “raça”.
Por outro lado, a carência de organizações democráticas, o avanço das tecnologias e a necessidade de acompanhar o desenvolvimento, a modernização e ao mesmo tempo preservar suas culturas sugere uma explicação para as dificuldades locais que se manifestam nas lutas históricas e atuais, sempre evidenciando interesses conflitantes no jogo politico e econômico.

Lá como cá, o judiciário entra em cena. Os poderes constituídos estão sendo questionados.

Nada é de repente e nem por acaso. A meu ver temos que aguardar os acontecimentos e certamente cada povo vai resolvendo seus problemas domésticos na sua luta diária e se alinhando a outros horizontes conforme o futuro que escolherem. Esse é o tempo desses acontecimentos.

Temos que respeitar as decisões e escolhas de cada povo. Afinal temos as nossas decisões a tomar também.

Algo que precisamos questionar é o nosso comportamento proselitista. Acreditamos que nossa fé cristã deve ser levada aos outros países e povos. Não percebemos que esta é uma postura colonialista e resulta de nosso etnocentrismo arraigado. Uma herança da “supremacia branca” européia.
Em vez disso, se não podemos ser solidários, não deveríamos, ao menos respeitar o modo de vida, as lutas e as crenças dos outros povos? Poderíamos até fazer conclaves para mostrar nossos modelos de compreensão do mundo numa perspectiva religiosa também, mas só entraríamos nos países com total respeito ao seu modo de vida e às religiões nativas. E não para convertê-los .

Os acontecimentos na Bolívia acerca do seu novo código penal estão em curso.
A sociedade está se manifestando à sua maneira, como pode ver nos links abaixo e tudo indica que poderá haver uma medida revogatória.

Será uma medida preventiva, pra proteger o país dos parasitas estrangeiros? Evo Morales deverá recuar, em parte, mas pautando os limites que evitarão que o país tenha prejuízos com sua soberania.

Entendo que ele tenha se excedido, ainda que se justifique como medida estratégica. O importante é que o povo mantenha acesa a chama da luta por democracia e digam como querem as suas leis e como querem o seu governo. E não abram mão de participar sempre das decisões de conteúdo interno.

Aqui ainda estamos dormindo e enquanto isso, os abutres dividem o país com as raposas e hienas estrangeiras.

Links sobre a situação na Bolívia.

https://www.cartacapital.com.br/internacional/imprensa-boliviana-e-levada-a-justica-pelo-governo

Notícias recentes:
http://www.eldeber.com.bo/bolivia/Paro-en-Cochabamba-anima-a-nuevas-protestas-civicas-20180116-0105.html

http://www.eldeber.com.bo/bolivia/Se-suspende-ampliado-de-la–COB-entre-gritos-de-congreso-y-abrogacion-20180117-0041.html

http://www.eldeber.com.bo/seccion/multimedia//bolivia/Juran-en-La-Paz-nuevos-jefes-departamentales-de-la-Policia-Boliviana-20180116-0069.html

http://www.eldeber.com.bo/bolivia/Ultimatum-civico-para-que-Evo-abrogue-el-codigo-y-no-se-repostule-en-2019-20180117-0058.html

https://www.eldia.com.bo/ – Diário El Dia Bolívia – online

http://elmundo.com.bo/web2/index.php/noticias/index?id=ministro-de-educacion-plantea-la-lectura-comprensiva-del-codigo-penal – EL MUNDO

Wilson Geraldo de Oliveira.

Sobre o Escola Sem Partido

Clique aqui e Leia antes, o Artigo  do Professor  Dr Fernando Pena – UFF

Frente articulará iniciativas contra a plataforma Escola Sem PartidoO professor Fernando Penna reúne o material que já produziu sobre o “escola sem partido” em um único lugar. São textos, artigos científicos, palestras, participações em audiências públicas, programas de TV. É um documento importante. Ele espera que ajude a todos que tiverem interesse no tema e estejam envolvidos na luta por uma #educaçãodemocrática.

Seguimos juntos nessa luta!

TEXTOS E ARTIGOS CIENTÍFICOS:

– O ódio aos professores (18/09/2015):
(também publicado no livro “A ideologia do movimento Escola sem Partido”, baixe o livro aqui: https://goo.gl/Izw1E3)

Continue lendo Sobre o Escola Sem Partido

WebCurso de introdução à vida e obra de Evguiéni B. Pachukanis

Pachukanis, o Direito e o Marxismo
Agraciado pela disposição do Professor Alysson Leandro Mascaro em publicar um WebCurso de Introdução à vida e obra de Pachukanis, organizo abaixo os links para este material para facilitar ainda mais a vida de alguns interessados:

Aulas 1 a 9 – Curso: Introdução a Pachukanis

Novas aulas toda semana! Inscreva-se na TV Boitempo para acompanhar diretamente o curso e outros vídeos: http://bit.ly/1BDA0vj

Outras referências:

 

Privada ou Pública?

“A privada é mítica. Mito fundado nos dogmas da religião do consumo, superficialidade e individualismo, propagado pelas missas da publicidade. Se não desenvolvermos uma reflexão coletiva e questionadora como escudo à propaganda dos nossos doutrinadores, nosso país, de incontáveis riquezas, será sempre loteado pelas grandes corporações, aliadas da “nossa” elite econômica e política entreguista que copula com a grande mídia privada.”

Vale muito o registro da conclusão e a leitura do artigo do Dr. Silvio Jose Piovani Junior, Pós-Graduado em Direito do Consumidor e Pós-Graduando em Direito Civil, ambas pela EPM – Escola Paulista da Magistratura. Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Sorocaba/SP.  (O que nos faz acreditar que a iniciativa privada é melhor que a pública?)

Wilson Geraldo de Oliveira

pt_BR
en_US pt_BR